15M mobiliza o país contra cortes na Educação, reforma da Previdência e fortalece a Greve Geral do 14 de junho

15M mobiliza o país contra cortes na Educação, reforma da Previdência e fortalece a Greve Geral do 14 de junho

Na quarta-feira (15), a Greve Nacional da Educação mobilizou mais de 1 milhão de pessoas contra os cortes orçamentários, o desmantelamento do serviço público e a reforma da Previdência. Os protestos ocorreram em todos os estados e no Distrito Federal em mais de 200 cidades. Mostrando a força do povo nas ruas, o ato se tornou uma grande preparação para a Greve Geral do dia 14 de junho.

Leia mais:

Greve Nacional da Educação pressiona governo e dá o tom para a Greve Geral do 14 de junho

Veja como foi o 15M em todo o país:

Goiás 

Em Goiânia, os atos pela Greve Nacional da Educação aconteceram na Praça Universitária e mobilizou estudantes, educadores e trabalhadores.

Minas Gerais

Depois de se concentrarem na Praça da Estação, os manifestantes, incluindo trabalhadores, estudantes dos três níveis de escolaridade, representantes de entidades sindicais rumo à Praça Sete e seguiram até a Praça Raul Soares, em Belo Horizonte, onde realizaram ato público. Mais de 200 mil pessoas foram às ruas. Em Governador Valadares, os manifestantes também ocuparam as ruas.

São Paulo

Na capital, a unidade entre trabalhadores dos setores público e privado, estudantes secundaristas e universitários e pesquisadores levou cerca de 500 mil pessoas à Avenida Paulista. Em Campinas, a manifestação reuniu aproximadamente, 10 mil pessoas no Largo do Rosário, na região central. Também ocorreram protestos em São Carlos.

Rio de Janeiro

A Greve Nacional da Educação reuniu mais de 150 mil pessoas nas ruas da capital fluminense. O protesto começou com um grande ato na Candelária e depois os manifestantes realizaram uma caminhada até a Central do Brasil.

Ceará

O ponto de concentração aconteceu na Praça da Bandeira, em Fortaleza, e seguiu pelas ruas do Centro. 

Bahia

Em Salvador, mais de 40 mil pessoas foram às ruas entre docentes, estudantes, entidades sindicais, movimentos sociais, pais de alunos e demais trabalhadores que não concordam com a política antieducacional promovida pelo governo federal.

Maranhão

Em São Luis, a concetração ocorreu em frente à Universidade Federal, no Bacanga e no IFMA Monte Castelo. À tarde, o protesto reuniu estudantes, técnicos, professores e demais categorias na Praça Deodoro, localizada no centro da capital maranhense.

Pernambuco

Em Recife, após um ato público em frente ao Ginásio Pernambucano, na Rua da Aurora, a passeata reuniu milhares de pessoas pelo trajeto que incluiu vias como a Rua João Lira, Rua dos Palmares, Avenida Cruz Cabugá, Rua do Hospício, Avenida Conde da Boa Vista, Avenida Guararapes, Avenida Dantas Barreto e Pátio do Carmo. Os estudantes também foram às ruas em várias cidades do Estado como Barreiros, Goiana, Vitória de Santo Antão, Serra Talhada e também no Sertão do Pajeú.

Paraíba

Na Paraíba, a capital João Pessoa foi o palco das manifestações.

Mato Grosso 

A concentração ocorreu no campus Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e de lá seguiu até a Praça Alencastro. Mais de 5 mil pessoas protestaram em Cuiabá.

Mato Grosso do Sul

O protesto aconteceu em frente à Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Paralisaram as atividades as escolas estaduais e municipais, UFMS, UFGD (Dourados), UEMS (Universidade Estadual) e Institutos Federais de Educação.

Pará e Amapá

Os manifestantes se reuniram na Praça da República e seguiram até a Assembleia Legislativa do Pará (Alepa).

Alagoas 

A concentração ocorreu no CEPA, em Maceió, e incluiu, também, o repúdio à perseguição e censura a educadores, rebaixamento do conteúdo pedagógico, corte de 2,4 bilhões da Educação Básica e a reforma da Previdência.

Sergipe 

Em Aracaju, a concentração começou na porta do Instituto Federal de Sergipe (IFS) e no campus da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Piauí 

O ato arrastou para as ruas estudantes da Universidade Federal do Piauí (UFPI), Universidade Estadual do Piauí, dos Institutos Federais (IFPI), Liceu Piauiense, Colégio Agrícola da UFPI e de outras diversas escolas pública da rede estadual e de colégios particulares de Teresina. Os manifestantes marcharam em direção ao Palácio da cidade, sede da Prefeitura de Teresina, para se unirem aos professores da rede municipal que realizavam uma paralisação da categoria.

Rio Grande do Norte

Em, Natal a manifestação ocupou quilômetros da BR 101, ocupando as duas pistas no sentido centro-zona sul. Enquanto parte dos manifestantes já retornavam após chegar à Árvore de Mirassol (onde o Ato foi encerrado), muitos ainda passavam pelo viaduto do quarto centenário, em Lagoa Nova.

Paraná 

Em Curitiba, o ponto de concentração foi a Praça Santos Andrade, que abriga o prédio histórico da UFPR. De lá, os manifestantes seguiram em caminhada até o Centro Cívico. Houve duas paradas: uma em frente à Prefeitura de Curitiba e outra em frente ao Palácio do Iguacu, sede do governo estadual. Segundo relatos, o ato chegou a ocupar três quadras da Avenida Cândido de Abreu, principal via do bairro.

Santa Catarina 

O ato unificado ocorreu pelas ruas de Florianópolis em frente a Catedral e terminando no TICEN.

Rio Grande do Sul 

Em Porto Alegre, durante todo o dia, houve concentração na Faculdade de Educação (Faced) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs). No meio da tarde, manifestantes começaram a reunir-se, ao mesmo tempo, na Faced, na Pucrs e na Esquina Democrática, para onde estava marcado o ato principal. Assim, no fim da tarde a mobilização já somava cerca de 30 mil pessoas.