Fenajufe - Na semana do 14J, Fenajufe continua pressão sobre parlamentares e reforça importância da Greve Geral

Na semana do 14J, Fenajufe continua pressão sobre parlamentares e reforça importância da Greve Geral

A luta para barrar a reforma da Previdência se intensifica a poucos dias da Greve Geral marcada para o dia 14 de junho - próxima sexta-feira. A Fenajufe manteve na tarde de ontem e na manhã desta terça-feira (11), no Aeroporto Internacional de Brasília, o trabalho de convencimento para pressionar os parlamentares. O objetivo é convencê-los dos prejuízos para toda a população – exceto banqueiros e rentistas – caso a proposta seja aprovada. 

Já no Congresso Nacional, os dirigentes continuam o trabalho de contato com os parlamentares em busca de apoio para impedir o avanço da reforma. Além disso, ainda nesta tarde, os coordenadores Erlon Sampaio, Fernando Freitas se reuniram com o presidente da Comissão Nacional de Direito Previdenciário da OAB, Chico Couto Noronha Pessoa.

Entre os excessos da proposta estão idade mínima que poucos trabalhadores conseguirão cumprir (65 anos para homens e 62 para mulheres); 40 anos de comprovação para obter o valor integral da aposentadoria e criação de um regime individual de capitalização - gerenciado por um banco privado.

Campanha

Já está circulando desde a quarta-feira, 5, campanha nacional contratada pela Fenajufe com foco na defesa da Previdência Social e contra a reforma proposta por Jair Bolsonaro e Paulo Guedes através da PEC 6/2019. A campanha é uma deliberação aprovada no 10º Congrejufe e o material já está em poder dos sindicatos filiados.

Leia mais: Fenajufe põe no ar campanha em defesa da Previdência Social

A PEC 6/2019 beneficiará bancos e o mercado financeiro e será cruel tanto com os trabalhadores da iniciativa privada quanto com os servidores públicos, que terão salário confiscar o salário dos servidores públicos ao prever a possibilidade do pagamento de alíquota de INSS de até 22%; 

14J

A Fenajufe reitera a necessidade de organização dos sindicatos da base para a mobilização da Greve Geral do dia 14 de junho. Somente com a paralisação total do país na sexta-feira é que a luta contra a reforma da Previdência vai demonstrar a força do combate ao desmonte da Previdência Social.

 

Raphael de Araújo, a serviço da Fenajufe