Fórum Trabalhista da Barra Funda, maior do país, parou nesta terça-feira (21)

Na manhã desta terça-feira (21), conforme havia sido prometido pelos grevistas, o maior Fórum Trabalhista do país, Ruy Barbosa, localizado Barra Funda, em São Paulo, parou totalmente suas atividades. Quase mil servidores aderiram à greve.

Não passava das 7h da manhã e dezenas de servidores já estavam a postos na porta de entrada do prédio para a realização do piquete de convencimento. As 11h, centenas de servidores se concentraram na porta e os demais realizaram arrastões nas secretarias.

Por volta das 13h45 veio à confirmação que todos esperavam, a paralisação estava dada, o prédio apagou.

Os arrastões realizados no prédio pelos grevistas confirmaram: 25 audiências suspensas, das 90 varas 85 estavam fechadas, sendo que em algumas as luzes estavam apagadas. A força da greve também suspendeu o atendimento ao público e cancelou o leilão. Com a suspensão destes serviços a participação chegou a quase mil servidores em greve. O resultado foi comemorado com muitos apitos, cornetas e vuvuzelas pelos grevistas que ocuparam o saguão do Fórum cantando “PCS quando? Já!”.

Grevistas de fora da capital também se deslocaram de suas cidades para o “Apagão do Judiciário” na JT/Barra Funda. Servidores da Baixada Santista que também realizam o maior ‘apagão’ da região vieram se somar aos servidores do Fórum Trabalhista da Capital.

“Apagão” na Baixada Santista

Na Baixada Santista, a paralisação na Justiça Trabalhista é geral. Os fóruns de Santos, Praia Grande, São Vicente pararam quase na totalidade, sendo que as audiências foram suspensas, segundo a servidora da JT/Santos, Marinilda Dias. “Em Santos as setes varas não tem audiência e nem atendimento de balcão, inclusive, a distribuição ficou com a diretora e apenas um funcionário”, relatou Marinilda Dias.

Nas demais cidades da Baixada a adesão também é forte. “Em São Vicente e Praia Grande a participação dos servidores à greve é integral, ‘apagamos’ três prédios completamente”, afirmou a servidora, que também faz parte do comando de greve da Baixada.

Protestos na porta do prédio Administrativo

O diretor geral do prédio Administrativo do TRT-2, Luiz Alberto Daguano,
tentou impedir a entrada dos servidores ao prédio para a realização do arrastão de convencimento. Indignados os servidores permaneceram na porta e exigiram o acesso ao prédio. Depois de muita pressão, a administração permitiu a entrada de três grupos compostos por oito pessoas cada.

Nas salas onde passavam, os grevistas convocaram os colegas à greve e
denunciaram a tentativa da administração em restringir a entrada dos servidores ao prédio. "Diante da atitude autoritária da administração, os colegas do prédio precisam mais do que nunca aderir à greve para fortalecer o movimento pela aprovação do PCS-4, por que esta é uma luta de todos", afirmou representante do comando de greve no local.

Doação de Sangue

Ainda pela manhã, cerca de 50 grevistas se deslocaram de ônibus até ao Hospital da Santa Casa (Hemocentro) para doação de sangue reafirmando a campanha “Doe sangue pelo PCS, o dia em que a nossa luta salvará vidas”.

Fonte: Sintrajud-SP