Servidores de Sergipe decidem entrar em greve por tempo indeterminado

Servidores de Sergipe decidem entrar em greve por tempo indeterminado

Em assembleia realizada na última sexta-feira (24), servidores do Judiciário Federal em Sergipe decidiram entrar em greve por tempo indeterminado a partir desta segunda-feira (27). A assembleia foi realizada após a manifestação que ocorreu na cerimônia de inauguração do prédio do MPE-SE, que contou com a presença do Presidente do STF, ministro Ayres Britto.

A manifestação contou com a participação de um expressivo número de servidores e chamou a atenção de toda imprensa local, que destacou a decisão da categoria em paralisar suas atividades por tempo indeterminado. “Pela primeira vez, por ampla maioria, os servidores do Judiciário Federal em Sergipe, decidiram entrar em greve por tempo indeterminado”, enfatiza o coordenador do Sindjuf-SE, José Pacheco.

Reunião com o ministro Ayres Britto

Além de dar visibilidade à luta dos servidores do Judiciário Federal em Sergipe, a manifestação serviu também para que uma comissão de cinco representantes da categoria, além de dois representantes do MPU, fosse recebida pelo ministro Ayres Britto neste sábado (25).

“Na reunião, o ministro explicou todo o processo de negociação em curso com o Executivo e da sua insistência para que a proposta de orçamento do Poder Judiciário fosse aceita integralmente. Os representantes da categoria, por sua vez, insistiram que a proposta do Executivo não atende a nossa reivindicação e solicitaram que o Presidente do STF tente melhorá-la antes do prazo de definição da LOA”, relata o coordenador do Sindjuf-SE que esteve presente na reunião com o ministro.

Outras manifestações

Na quarta-feira passada (22), os servidores do Judiciário Federal em Sergipe paralisaram suas atividades por 24 horas na capital, em conjunto com os servidores do MPU. Durante todo o dia houve manifestação na frente das sedes do TRT e da JF, com apitaços, piquetes e "arrastões" para trazer o maior número de servidores para a luta pelo PCS.

A partir do meio-dia houve um ato conjunto de toda a categoria em frente ao prédio do TRE, onde foi realizada uma assembleia que decidiu rejeitar por unanimidade a proposta de reajuste de 15,8% apresentada pelo Executivo e reafirmar que a luta é pela aprovação do PCS.

Fonte: Sindjuf-SE