TRE-BA: Servidores/as dizem BASTA de medidas prejudiciais no Órgão e aprovam propostas urgentes

 

 

 

Sindjufe (BA)

Servidores e servidoras estiveram reunidos no saguão do TRE-BA para dizer “BASTA” a uma série de medidas tomadas pelo TRE-BA que reduzem ou inviabilizam direitos dos trabalhadores do órgão. A “Assembleia do Basta” foi realizada na tarde desta quarta-feira (22), às 13h30.

Os coordenadores presentes Israel Almeida e Denise Carneiro deram os informes acerca da Vitória na ação judicial do Auxílio Transporte, o  que teve grande repercussão, e leram as últimas portarias do órgão todas prejudiciais aos servidores, que estão insatisfeitos e  adoecendo, em situação catalizada pela pressão do Tribunal.

Com a presença do advogado do SINDJUFE-BA Cláudio Andrade, os servidores puderam tirar as dúvidas com relação à legalidade das Portarias de redução de jornada, controle draconiano do ponto biométrico, proibição de toda e qualquer ausência voluntária, indeferimento dos pedidos de remoção e permuta, etc. 

A coordenadora relatou que a portaria n° 247 originou enxurrada de e-mails ao sindicato com reclamações. Outra medida considerada injustificável pelos servidores é o agendamento da 2ª fase da revisão de cadastro em 20 zonas logo após a eleição. Em todas as falas  o relato de insatisfação esteve presente.

“O caminho é o sindicato combater de imediato por via administrativa e, se necessário for, partir para uma ação judicial a fim de evitar medidas prejudiciais ao servidor”, afirmou o advogado do sindicato.

A primeira reunião com a administração ocorrerá na próxima terça (28), às 14h, onde será cobrado mais uma vez a instalação de Mesa de Negociação com a categoria representada pela sua entidade classista e servidores de base eleitos em assembleia. 

Na Assembleia do Basta várias propostas foram discutidas e encaminhadas. Destas foram aprovadas:

- confecção de material resumido sobre a questão da jornada;

- entrega da Resolução com as reivindicações dos Servidores;

- Caso seja necessário o sindicato deve estudar medidas cabíveis para evitar perda de direitos e exploração.