Sindjus-AL realizará roda de conversa “Como vai a sua saúde?” nesta sexta (09)

Sindjus-AL realizará roda de conversa “Como vai a sua saúde?” nesta sexta (09)

 

 

 

 

 Participe! Venha debater a saúde para combater os adoecimentos! 

O Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal em Alagoas (Sindjus-AL) realizará a Roda de Conversa “Como vai a sua saúde?” nesta sexta-feira (09), às 17h30, em sua sede. A entrada é gratuita. É importante fazer logo a inscrição, pois o número de vagas é limitado. Para se inscrever, é preciso preencher o formulário eletrônico pelo link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdeJlRJzlz_RynuVezq1gjcskrin7ko3VgdBoYQXxze7WxVXA/viewform?usp=sf_link

 

As mediadoras

Para realização da Roda de Conversa, o Sindjus-AL convidou profissionais da área da Saúde para mediar o debate. Foram convidadas a médica Cláudia Loureiro, CRM 6546 AL, especialista em Longevidade Saudável; a médica Lílian Espíndola, especialista em acupuntura e homeopatia, a psicóloga Larissa Rossiter, especialista em Neuropsicopedagogia e Saúde Mental; e a psicóloga Maria de Fátima Soares Muniz Falcão que tem formação em Gestalt-terapia e psicoterapia corporal. A Médica Lílian Espíndola é membro do Colégio Brasileiro de Acupuntura-CMBA, membro da Associação Médica Brasileira de Homeopatia – AMBH e Coordenadora do Programa de Homeopatia e do Bloco de Práticas Integrativas do SUS-Maceió.

 

Participação

Preocupado com a saúde dos servidores, o coordenador Geral do Sindjus-AL, Paulo Falcão, ressalta a importância da participação da categoria como uma forma de socializar os problemas de saúde vivenciado, como depressão, transtornos, síndrome da LER/DORT, entre outros.

 O sindicalista destaca as mudanças administrativas impostas de forma vertical aos servidores. A categoria está envelhecendo, o que torna importante socializar os problemas de cada um e interagir com o sindicato.

 Paulo Falcão revela que os servidores também sofrem com as ameaças aos direitos como a reforma da Previdência, o projeto de lei que põe fim a estabilidade, o cumprimento de metas, o PJe, a Inteligência Artificial. “Essas questões do ambiente de trabalho não são postas como problemas e depois resultam em mais adoecimentos”, alerta.

   

Saúde

A Pesquisa da Saúde da Fenajufe, realizada pela Universidade de Brasília, identificou 71% de riscos médios a altos ao sofrimento patogênico no trabalho.

O Sintrajufe/RS realizou pesquisa de saúde 2016/2017, em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e a Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), junto aos servidores do Judiciário Federal do Rio Grande Sul. Nessa pesquisa, mostrou que 82,7% sofreram atos negativos sugestivos de Assédio Moral; 91% dos servidores consideraram a organização de trabalho crítica ou grave e 49,6% dos servidores têm dores osteomusculares frequentes ou sempre em membros superiores.

Em 2018, o setor médico do TRT/AL registrou os CIDs (Classificação Internacional de Doenças) que mais ocorreram, entre eles, o de hipercolesterolemia pura (taxa elevada de colesterol no sangue): 3.070; transtorno ansioso não especificado: 2.060, hipertensão essencial (primária):  1.084, pansinusite aguda: 692, enxaqueca comum: 509, episódio depressivo moderado: 487 e outros transtornos ansiosos: 469.

Todos esses dados mostram como os servidores estão adoecendo e como a organização administrativa e do trabalho afetam a saúde da categoria.