Congresso do Piauí forma comissão para pesquisar e relatar crimes da Ditadura no estado

Congresso do Piauí forma comissão para pesquisar e relatar crimes da Ditadura no estado

Nos últimos dias 23 e 24 de novembro o Sintrajufe-PI promoveu o VII Congresso dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Piauí, na Escola Judicial do TRT. O convidado da noite de sexta-feira (23), Edval Nunes Cajá, sociólogo e último preso político na Ditadura, relatou atrocidades, casos e incitou a criação do Comitê da Memória, Verdade e Justiça no Piauí. Além dos servidores do Judiciário, participaram da palestra estudantes, professores e membros de movimentos populares. Ao final do debate, várias pessoas se comprometeram em formar um grupo para pesquisar os crimes da Ditadura no Piauí e divulgar os resultados para a população, com a primeira reunião marcada para o dia 6 de dezembro, às 19h, no Sintrajufe-PI.

O diretor do Sintrajufe-PI Pedro Laurentino coordenou o debate e falou da relevância de discutir o tema. “A gente tem que discutir os crimes da Ditadura não porque é interessante para a mídia, mas porque essa parte da História não pode apagada da nossa memória”. Ele ressalta que atualmente ainda há 160 registros oficiais de corpos desaparecidos e denuncia: “A tortura existe ainda hoje em qualquer delegacia do país”.

Edval Nunes Cajá fez um resgate histórico dos fatos que fizerem eclodir a Ditadura no Brasil, os momentos mais marcantes durante o período e os fatos que levaram a derrubar o regime. Falou sobre as atividades do Comitê da Verdade em Pernambuco, do qual ele faz parte, que investiga os crimes cometidos durante a época. Segundo ele, a maior dificuldade em levantar os dados é que não há registros oficiais sobre os vários eventos acontecidos e explica por quê: “Quando matavam uma pessoa, os militares iam à casa dos familiares para fazer ameaças de que se houvesse denúncias, eles matariam o restante da família. Uma família que já perdeu um ente querido, se calava diante do risco de perder mais entes ou até mesmo ser dizimada”.

Segundo o sociólogo, a principal missão dos comitês da verdade é recuperar a memória de todos aqueles que foram torturados e mortos, até mesmo para mudar nomes de escolas, ruas e avenidas que levam nomes de ditadores, como a Avenida Marechal Castelo Branco, em Teresina.  “Nós temos que levantar a bandeira dos rebeldes, desde os rebeldes indígenas. Hoje as pessoas que temos um Estado Democrático de Direito, mas não se dão conta de quantas pessoas precisaram ser torturadas e mortas para conquistarmos o que temos hoje”.

Fonte: Sintrajufe-PI

Fotos: Arquivo Sintrajufe-PI