fbpx

banner tv fenajufe

banner radio fenajufe

banner tv fenajufe

banner fenacast

banner tv fenajufe

banner radio fenajufe

banner tv fenajufe

banner fenacast

Frente dos Servidores realizam ato em Santa Cruz do Sul contra a reforma administrativa*

Na manhã desta quarta-feira, 1, o Sintrajufe/RS e outras entidades que integram a Frente dos Servidores Públicos do RS (FSP) estiveram em Santa Cruz do Sul, base eleitoral do deputado federal Marcelo Moraes (PTB), para pressioná-lo a votar contra a PEC 32/2020, da reforma administrativa

Além da realização de um ato público, a direção do Sintrajufe/RS e de outras entidades deram entrevistas a rádios e jornal locais.

O ato foi realizado na Praça Getúlio Vargas, que fica em frente ao escritório político do parlamentar, um dos deputados gaúchos que integram a Comissão Especial da PEC 32.

Representações de servidores públicos das esferas municipais, estaduais e federais, entidades, sindicatos e centrais formaram o grupo que denunciou as brutais consequências que a reforma administrativa traz aos servidores e às servidoras e à população.

 Nas falas, além de destacaram diversos aspectos nocivos da PEC 32/2020, também foi feito chamamento para que as pessoas participem dos atos no dia 7 de setembro, em defesa da vida, do serviço público e pelo “Fora Bolsonaro”.

O diretor do Sintrajufe/RS Marcelo Carlini também representou a CUT/RS. Ele chamou a atenção para o fato de a proposta abrir caminho para o apadrinhamento político em cargos públicos. “A PEC permite a entrada no serviço público sem concurso. Abre caminho para contratação de pessoas apadrinhadas por políticos e sem compromisso com a qualidade do serviço prestado.”

A presidente do Cpers, Helenir Aguiar Schürer, ressaltou que é necessário esclarecer que a PEC 32/2020 é uma proposta do presidente Jair Bolsonaro (sem partido): “Temos que dar nome aos bois, pois têm muitos servidores que ainda apoiam Bolsonaro. Essa proposta será estendida aos municípios e não serão apenas os servidores que serão atacados

As pessoas que mais precisam do serviço público ficarão desassistidas. Helenir lembrou ainda que, devido à lei das organizações sociais, aprovada no governo de Germano Rigotto, a privatização das escolas públicas poderá ocorrer rapidamente. Ela também destacou o fim da paridade a aposentados e aposentadas caso a proposta seja aprovada.

“Os legisladores estão surfando nessa onda pra colher os frutos do suor do povo. Esse é um projeto de governo para poucos. É preciso de uma forte reação”, afirmou o representante do Sindbancários, João Carlos Heissler.

Luiz Queiros, presidente do Sindicato dos Municipários de Santa Cruz, chamou a atenção para os serviços que não serão mais disponibilizados à população: “Todo o contingente que dá a assistência tão necessária à sociedade está sendo ameaçado de extinção. Querem destruir o serviço público em âmbito municipal, estadual e federal”.

Pablo Tadeu Pereira da Silva, do Sindicato dos Servidores de Nível Superior do Poder Executivo do Estado do Rio Grande do Sul (Sintergs), ressaltou a importância de conscientizar o funcionalismo público e a população sobre a retirada de direitos. “Muitos colegas ainda não sabem o que a PEC representa. Essa reforma não reforma nada, serve apenas para tirar direitos dos trabalhadores e do povo, que ficará desassistido.”

Direção avalia a atividade

Realizar atos para denunciar a reforma administrativa, neste momento, na base eleitoral dos deputados que compõem a Comissão Especial, é importante porque nossa luta é para derrotar a reforma na comissão, explica a diretora do Sintrajufe/RS Arlene Barcellos. Nas cidades, é possível conversar com a população, distribuir material informativo, mostrar, em entrevistas concedidas a veículos locais, “o que está em jogo e que pode ser perdido”. Arlene afirma que a apresentação de dados “escancara que essa reforma nunca foi sobre acabar com privilégios ou modernizar e ampliar o acesso da população aos serviços públicos, mas que foi pensada para privatizar, terceirizar, precarizar e acabar com o serviço público gratuito a toda população”.

A atividade foi organizada pela FSP com grande unidade, com a presença de entidades de servidores e servidoras federais, estaduais e municipais, e botando pressão na base eleitoral do deputado Marcelo Moraes (PTB), que já votou a favor da PEC 32/2020 na CCJC da Câmara, afirma o diretor Zé Oliveira.

O dirigente explica que a intenção “é sinalizar para os demais parlamentares que, se votarem a favor da reforma, nós iremos denunciá-los em suas bases utilizando a pressão da eleição de 2022. O lema é o ‘quem votar a favor, não volta’. A atividade, um dia depois da apresentação do relatório na Comissão Especial, também foi importante para reforçar que os servidores e as servidoras irão lutar até o fim para derrotar a PEC 32”.

A diretora Cristina Viana avalia que a atividade em Santa Cruz do Sul foi muito boa e ressalta a presença, também, de trabalhadores e trabalhadoras da iniciativa privada, como bancários e comerciários.

Para ela, “está claro que, apesar de o governo estar maquiando a PEC 32, há diversos ‘jabutis’, emendas e ambiguidades no texto”, cujo objetivo é “precarizar e privatizar os serviços públicos, atingindo em cheio a população que mais precisa”. E, “ao contrário das falácias do Guedes e de seus defensores, todos e todas as servidoras públicas serão atingidas, inclusive aposentados, e aposentados. Hoje, mais uma vez, alertamos: deputado que vota nesse absurdo não volta em 2022”.

Pin It

afju fja fndc