banner tv fenajufe

banner radio fenajufe

banner tv fenajufe

banner fenacast

banner tv fenajufe

banner radio fenajufe

banner tv fenajufe

banner fenacast

Sindicatos

Sintrajufe/CE realiza entrega de EPIs adquiridos por meio de campanha de arrecadação

O SINTRAJUFE/CE, representado por Engelberg Belém, realizou a entrega de máscaras (Face Shield) na última segunda-feira, 13, à médica otorrinolaringologista Dra. Maria Carlos Pereira da Silva (CREMEC 4307), atuante no IJF há 29 anos e que será responsável por distribuir os equipamentos aos profissionais de saúde do Instituto Doutor José Frota (IJF). A aquisição dos equipamentos foi realizada por meio da campanha de arrecadação que teve início no mês de abril e que viabilizou a compra de 30 máscaras no total. 

Pin It

Sintrajufe/RS registra desrespeito do TRT4 com a entidade e critica encaminhamento de proposta para 2º grau sem diálogo com a categoria

Estamos vivendo tempos extremos, de mudanças forçadas nas rotinas, devido à pandemia da covid-19. Não bastassem as mudanças necessárias para o enfrentamento da crise sanitária, o TRT4, sem qualquer consulta à categoria e sem participação do Sintrajufe/RS, pretende fazer modificações drásticas, com a convocação de um mutirão que deslocará mais de 50 servidores e servidoras e 13 juízas e juízes, já a partir de 20 de julho. 

Pin It

Servidores do Judiciário Federal tiveram covid-19 mas conseguiram se curar; conheça a dramática experiência deles

 

Estamos num momento crítico da luta contra o coronavírus. Epicentro da covid-19 no mundo, o Brasil está perto de 70 mil mortes, e devido à falta de vagas nos sistemas público e privado de saúde a curva da morte continua subindo, contando agora também com um número considerável de vítimas fora dos hospitais ou dentro de suas casas. Tudo isso é verdade. Mas esta matéria, que visa transmitir esperança e otimismo, abordará sobre os sobreviventes, aqueles que contraíram a doença mas conseguiram se curar e já voltaram à vida normal. Tem casos assim no Judiciário Federal em Mato Grosso, e algumas dessas histórias serão contadas a seguir.

Quem conhece o servidor do TRT23 Jarbas Alves Carvalho talvez não saiba disso ainda, mas dias atrás ele passou por maus bocados. Testou positivo para a covid-19 e teve que se isolar completamente, quando já estava trabalhando em home office. Após duas semanas de tratamento, ele conta que chegou a perder as esperanças de que fosse sobreviver. Estava muito debilitado, e a doença persistia.

Aquele sujeito boa gente,  atencioso e sorridente, surpreendeu os amigos com a notícia de que havia sido contagiado, e depois disso não se soube mais nada dele, se estava bem ou se tinha piorado, se estava precisando de ajuda, enfim. As mensagens enviadas não tinham retorno.  Mas, finalmente, o Jarbas reapareceu, dizendo que havia conseguido superar a covid-19. Foram mais de 20 dias de luta em infinita solidão.

 

Do ceticismo ao enfrentamento da pandemia

 "A partir do instante em que foi reconhecida a pandemia, eu ficava às vezes um tanto cético se isso realmente pudesse acontecer. Talvez pudesse acontecer com outras pessoas, mas não comigo. Assim, eu segui vivendo a minha vida, tomando algumas cautelas mas nada tão rígido, e num belo dia eu amanheci me sentindo indisposto e com um pouco de febre. No dia seguinte a febre e a indisposição continuaram, e no terceiro dia começaram também algumas dores. Aí me deu aquele medo do que estava acontecendo, e fui ao médico".

No primeiro estágio da doença o caso do Jarbas não chamou a atenção do médico do pronto atendimento, que até o dispensou do exame da covid-19. A justificativa foi que não era necessário, e apesar da insistência fez apenas o teste rápido, que deu negativo. "Voltei pra casa, mas, nos dias que se seguiram, o tormento foi o mesmo. Os sintomas pareciam ainda mais presentes, e a indosposição, maior. Então eu fui a outro hospital, onde o médico reconheceu que os sintomas eram evidentes".

Como estava sentindo muitas dores na coluna, Jarbas relata que se submeteu a uma tomografia, cujo resultado apontou infecção por covid. Foi realizado um novo exame para confirmar. E deu positivo. "A partir daí começou o calvário, porque eu já estava em isolamento, e foi um isolamento ainda maior, porque eu também não queria contaminar a minha família. Eu tinha toda uma cautela, um cuidado até maior que eles, para evitar qualquer contato que pudesse resultar numa contaminação. Isolamento junto com as notícias da TV, 'morreram mil pessoas, morreram tantas pessoas!' ... em Mato Grosso a situação seria difícil, porque não tem leitos de UTI, etc... isso me dava uma agonia, uma grande angústia", relembrou.

Os dias se seguiram, e o Jarbas só piorava em vez de melhorar. "Confesso que, na terceira semana, eu quase perdi a esperança de ficar bom", revelou ele, acrescentando no entanto que a partir daí ele passou a tomar chá de casca de quina, uma planta medicinal, com outros produtos naturais, e foi aí que a sorte dele começou a se reaproximar. "Passei a usar também melão são caetano, muito própolis e muito óleo de copaíba com xarope. Tudo isso fora a medicação tradicional. Tomava novalgina, xarope e outros antibióticos que o médico havia passado, e foi então que comecei a melhorar".

Somente depois disso, ele começou a melhorar. "A partir daí os dias foram de alegria, porque eu amanhecia a cada dia melhor. Até que, após mais de 20 dias, finalmente eu pude dizer que estava bem, já podia andar pela casa e trabalhar. Foi uma alegria enorme, e passei a divulgar a todos os amigos e conhecidos que esta doença é muito real e muito presente, causa muito sofrimento tanto para quem é acometido por ela quanto para a família. Hoje eu só saio de casa nos casos extremamente necessários. Esse é o meu testemunho, de uma pessoa que começou meio cética mas hoje sabe que essa doença é muito perigosa e pode destruir a nossa vida e a vida das pessoas que a gente ama", concluiu.

Cura e gratidão

Outra bela história é a da Heloísa Alves Bezerra de Rezende, a Helô, servidora aposentada da Justiça Eleitoral em Rondonópolis, que esteve internada durante 14 dias. Nesta semana, ainda com a voz fraca devido à energia consumida no enfrentamento da doença, ela revelou que, no começo, pensou que fosse apenas um resfriado ou uma gripezinha, porque não apresentava nenhum dos sintomas relatados diariamente. Mas estava errada. "Me enganei totalmente com isso e demorei uma semana para procurar ajuda médica. Até então fiquei em casa, tomando os chás recomendados, que ajudaram bastante,  como o de gengibre com açafrão e manjericão, pimenta do reino e canela. Eu tomava esses chás quase todos os dias, e parecia que estava tudo bem nos outros aspectos, mas a febre não passava".

Segundo Helô, era uma febre persistente e que aparecia sempre à noite, acompanhada de uma tosse. "Quando isso não passou eu fui procurar ajuda médica. O exame testou positivo para a covid-19. Eu estava medicada, porém já me encontrava num estado crítico. Fui encaminhada direto para o hospital público regional de Rondonópolis, e lá fiquei aguardando atendimento. Aí meu esposo e meu filho agilizaram a minha transferência para um hospital da Unimed, também em Rondonópolis".

Ela conta que foi bem atendida nos procedimentos de primeiros socorros, até porque naqueles dias a estrutura de saúde ainda não estava saturada. "Durante os 14 dias em que fiquei internada eu tomei azitromicina, cloroquina, decadron, também tomei um antialérgico e um anticoagulante que não me lembro o nome agora, e tomei, ainda,  dipirona e omeprazol. Após duas semanas, graças a Deus eu recebi alta.  Sou grata pela orações, dos meus colegas de trabalho, de pessoas em geral que me conhecem e também que não me conhecem. Obrigada por se preocuparem comigo. Posso dizer que fui muito bem atendida no hospital. Nota 10 tanto para a equipe de enfermeiros quanto para o médico, Dr. Juliano, que soube tomar as decisões certas nas horas certas, uma pessoa muito atenciosa".

Helô recomendou que o SINDIJUFE-MT não se esquecesse de frisar bem o agradecimento e toda a gratidão dela pela corrente de orações e pensamentos positivos a ela endereçados. "A minha gratidão eterna a todo o corpo do TRE, tanto os aposentados quanto os ativos. Aos que me conhecem e aos que ainda irão me conhecer, a minha eterna gratidão, por tudo.

Cloroquina não

A técnica em enfermagem Adriana Carla da Conceição não é servidora do Judiciário Federal, mas relata que também passou por brutos momentos com a covid-19. "Como me infectei com o vírus, infelizmente não  faço a mínima  ideia, pois estava me cuidando muito, sempre usando máscara e álcool em gel,  e saia de casa somente para comprar alimentos. Mesmo me cuidando, no entanto,  comecei a me sentir mal. Parecia uma gripe  comum, mas foi piorando ao longo  dos dias. Mesmo assim relutei muito para procurar atendimento médico".  

No dia 27 de junho, entretanto, ela estava a ponto de desmaiar e foi obrigada a reconhecer que estava mal. "Sentia fraqueza, tontura, dor de cabeça  e no tórax, além  de falta de paladar, olfato e apetite. Procurei atendimento na emergência  da Unimed, e uma tomografia apontou que eu estava com 47% do pulmão comprometido. Também fiz exame de sangue e orofaringe, e mediante os resultados o médico decidiu que eu deveria  ser hospitalizada para o tratamento. Fiquei  internada no Hospital São Judas Tadeu por sete dias".

Segundo Adriana, a médica Francisca Gaiotto adotou o protocolo de Berlim, tratamento que utiliza azitromicina , solumedrol, heparina, dipirona, ivermectina, anita, tamiflu e vitamina D , dentre outros medicamentos.  Ela destacou que recusou o uso de cloroquina devido às notícias da não eficácia do medicamento  e do risco de complicações como arritmias cardíacas. "Como sou hipertensa, não  quis arriscar", disse ela, acrescentando que  no sexto dia foi feita outra  tomografia  cujo laudo apontava que incidência do vírus havia diminuindo, e o pulmão só estava comprometido em 26%.  

Então ela recebeu alta  e continuou o tratamento em casa. Mas continuou a se sentir mal e precisou retornar ao médico três vezes.  Neste vai e vem ao pronto atendimento, os médicos prescreveram nova medicação, e também foi realizado exame para saber se o organismo de Adriana havia criado anticorpos. "Depois disso ainda fui encaminhada  ao infectologista e ao pneumologista para saber se fiquei com sequela da doença". Para a felicidade de seus familiares e amigos, Adriana já está completamente recuperada.

Em nota, o Governo de Mato Grosso informou, nesta sexta-feira (10) que o estado já tem mais de 11 mil pessoas curadas de covid-19.

Luiz Perlato/SINDIJUFE-MT

Pin It

Sintrajufe/RS participa de plenária estadual para lançamento da campanha “Fora, Bolsonaro”

O Sintrajufe/RS participou, na tarde dessa terça-feira, 7, do lançamento, no Rio Grande do Sul, da campanha “Fora, Bolsonaro”. A Plenária Estadual de Mobilização pela Vida, pela Democracia, pelo Emprego e pela Renda reuniu centrais sindicais, sindicatos e representações de negras e negros, mulheres, estudantes, juventude, advogados, juízes, torcidas antifascistas, entre outros, de várias regiões do Rio Grande do Sul. Devido à pandemia do novo coronavírus, a atividade, que contou com a presença de cerca de cem representantes de movimentos sindicais e sociais, ocorreu de maneira online.

A campanha estadual integra-se ao movimento nacional, com mais de 40 organizações (movimentos sindical e social, segmentos de defesa do meio ambiente, religiosos, culturais etc.), pelo fim do governo Bolsonaro. No Rio Grande do Sul, a Frente de Centrais Sindicais já promoveu a colagem de cartazes, em Porto Alegre e na Região Metropolitana, além de outdoors na capital e no interior. 

Pin It

Em defesa da vida, da democracia e dos direitos. O Brasil não suporta mais: Fora, governo Bolsonaro!

Bolsonaro e seu governo são uma grave ameaça à vida de milhões de brasileiros e brasileiras. O país ocupa o 2º lugar no mundo em casos confirmados e mortes pelo novo coronavírus. Mais de 65 mil pessoas já perderam a vida e 1,5 milhão foram infectadas em decorrência da absoluta falta de gestão, do descaso e do negacionismo do governo. 

Pin It

Adicional de atividade penosa no MPU: Sintrajufe/RS irá encaminhar ação para manter pagamento de direito que pode ser suspenso em julho

O Sintrajufe/RS irá encaminhar uma ação civil pública buscando a manutenção do pagamento do adicional de penosidade para os servidores e as servidoras do Ministério Público da União no Rio Grande do Sul que o recebem. O benefício será suspenso a partir deste mês de julho após decisão do Tribunal de Contas da União (TCU). 

Pin It

PL servirá para embasar elaboração de políticas públicas no combate da violência à pessoa com deficiência

Proposta determina que o Poder Público elabore, no mínimo anualmente, estatísticas sobre o assunto 

Pin It

Sisejufe estreia novo programa: IDEIAS para um futuro melhor

Arte além da resistência com o chargista Carlos Latuff vai ao ar no Youtube nesta sexta, a partir das 17h 

Pin It

Sintrajuf-PE pede cautela e garantias ao TRF5 para retorno ao trabalho presencial

O Sintrajuf-PE encaminhou ofício ao Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) solicitando que indique o dia 1º de agosto como data oficial para avaliação das condições de infraestrutura e biossegurança para possível retorno às atividades presenciais, levando em consideração atividades estritamente necessárias e o declínio prolongado na curva de contágio. 

Pin It

Democracia em risco: ameaça ao Estado de Direito, às Instituições e ao Serviço Público

Na próxima quinta-feira (2), às 17h, o Sintrajuf-PE transmite mais uma live através de sua página no Facebook (www.facebook.com/sintrajufpe). O tema é “Democracia em risco: ameaça ao Estado de direito, às instituições e ao serviço público”. Convidamos para discutir o assunto, o juiz do trabalho no Recife, doutor em Ciência Política, professor de Direito da UFPE e membro da Associação dos Juristas pela Democracia, Hugo Melo Filho e o advogado, presidente da CDH-OAB/PE e membro da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Olinda e Recife, Cláudio Ferreira.

Pin It

Sindijufe-MT realiza assembleia virtual sobre a volta ao trabalho presencial na Justiça Federal a partir de 1º de julho

Como já é do conhecimento da Categoria, a Resolução  322/2020 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ)  e uma circular do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) preveem a volta ao trabalho presencial nos tribunais do Judiciário Federal a partir de 1º de julho, com a retomada integral dos prazos processuais nos processos eletrônicos e físicos, independentemente do agravamento da pandemia do coronavírus. 

Pin It

Servidor de Mato Grosso se diz revoltado com proposta de corte de 25% nos salários da categoria

"Estamos trabalhando muito mais, e a nossa produtividade está altíssima. Porque, na verdade, a gente não está fazendo sete horas por dia que é a nossa jornada. Mas, então, aumenta-se a produtividade e diminui-se a remuneração? Que lógica é essa? Que capitalismo é este que, quanto mais produtivo, menor é a remuneração? Isso eu não entendo, é revoltante e não devemos aceitar, pois enquanto eles estão roubando a gente está trabalhando muito, bastante mesmo". 

Pin It

"Brasil precisa reagir às arbitrariedades praticadas contra o seu próprio povo", diz agente de segurança da JFMT

Um suposto corte de 25% nos salários dos servidores públicos, buscado pelo Governo Bolsonaro através da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP),  que está coletando assinaturas para a formalização de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nesse sentido, está causando incontáveis protestos em meio aos servidores do Judiciário Federal em Mato Grosso. Entre os que alçaram a voz contra o projeto está o agente de segurança Humberto Negretti, para quem a Categoria já sofreu muito com a reforma da Previdência, congelamento salarial e aumento da alíquota dos recolhimentos da Previdência. 

Pin It

TRF4 mantém atividades presenciais suspensas até 31 de julho

Na noite da quinta-feira, 18, a Presidência do TRF4 publicou a resolução 33/2020, na qual mantém, até 31 de julho, a suspensão dos prazos dos processos não eletrônicos e das atividades presencias, a continuidade do trabalho remoto e o fechamento dos prédios do tribunal e das subseções judiciárias em toda a Justiça Federal da 4ª Região. A resolução prevê que o prazo pode ser reduzido ou estendido, dependendo da melhora ou piora da disseminação da pandemia do novo coronavírus. 

Pin It

Sindjus-AL fará assembleia geral virtual para tratar dos problemas do trabalho na pandemia nesta segunda (22)

Assembleia virtual ocorrerá na segunda-feira (22). Faça já sua inscrição online: encurtador.com.br/lIJNQ 
Pin It

Responsabilidade do Governo em discussão pelas mortes por Covid-19

Seria possível processar  o Governo  por negligência no enfrentamento da pandemia, que vem causando a morte de tantas pessoas? Parece  pouco provável, já que, inclusive internacionalmente,  se tem a exclusão de ilicitude por fato de força maior. Mas também não é de se duvidar que alguém busque este caminho, ou pelo menos cogite a ideia,  como já aconteceu em outros países, incluindo a Itália, onde a Justiça convocou o governo a dar explicações, e tudo indica que essa história não acabará por aqui. 

Pin It

Nota de pesar falecimento do Agente de Segurança José Luciano Farias

O Sindicato dos Trabalhadores da Justiça Federal no Ceará vem manifestar com imenso pesar o falecimento do servidor da ativa José Luciano Farias, 73 anos, Agente de Segurança da 13a. Vara Federal (Fortaleza). O Sindicato destaca a importância do seu trabalho, memoriza a sua imagem com muito respeito e admiração, colocando-se à disposição para ajudar os seus familiares e amigos nesse momento difícil. 

Pin It

afju fja fndc