fbpx

banner tv fenajufe

banner radio fenajufe

banner tv fenajufe

banner fenacast

banner tv fenajufe

banner radio fenajufe

banner tv fenajufe

banner fenacast

Agência de Notícias

Cartórios eleitorais fortalecem greve em Santa Catarina

Ato unificado reuniu, na quinta-feira (23), cerca de 200 servidores públicos em Chapecó-SC. A caminhada, que iniciou no centro da cidade, contou com a presença de servidores da Justiça Federal, Justiça do Trabalho, MPU, Ministério da Agricultura, Polícia Rodoviária Federal, IF-SC (Escola Técnica Federal), base do Sinasefe e fiscais federais agropecuários. A atividade iniciou às 14 horas e encerrou às 16 horas, ocupando a movimentada avenida Getúlio Vargas.

Também nesta quinta-feira, os servidores do TRE enviaram mensagem aos colegas dos Cartórios Eleitorais. Os servidores da Justiça Eleitoral no interior do estado vêm, através de várias mensagens ao Sindicato e aos servidores já em Greve na Capital, ratificando apoio e possibilidade de adesão ao movimento. O indicativo é de Greve geral no dia 28.

Em reunião na quarta-feira (22), o Comando Nacional de Greve avaliou a proposta de reajuste apresentada pelo governo federal e, com base no debate feito durante a reunião, decidiu orientar que os sindicatos promovam assembleias com a categoria e indicou a rejeição do índice de 15,8%, em três parcelas de 5%, com implementação até 2015.

Na avaliação dos dirigentes sindicais, embora essa primeira contraproposta do governo desde o início da luta pelo PL 6613/09, o PCS, que completa três anos, seja resultado da greve em vários estados e no Distrito Federal, o reajuste proposto não atende às reivindicações da categoria. Por outro lado, mostra que o movimento grevista de categorias do funcionalismo público começa a surtir efeito. “Por isso, precisamos intensificar as mobilizações em todo o país para garantir a reposição salarial que o governo nos nega há seis anos”, enfatiza representante do Sintrajusc-SC. A Assembleia em Santa Catarina será na segunda-feira, às 17h, no TRE-SC”.
 
Fonte: Sintrajusc-SC

Pin It

Greve em Campinas ganhará novas adesões na próxima segunda-feira

A greve no Fórum Trabalhista da 15ª Região em Campinas continua forte e deverá ser ampliada a partir da próxima segunda-feira (27), com a adesão dos servidores lotados na sede do Tribunal. Nesta quinta-feira (23), os grevistas se reuniram em frente ao TRT para demonstrar a união e mobilização pela conquista do reajuste.

Também foi realizado um arrastão pelo prédio com o objetivo de convencer os servidores da necessidade de integração no movimento nacional. Segundo informações do Sindiquinze-SP, a mobilização conquistou o efeito desejado e vários colegas já informaram a adesão à greve a partir da segunda-feira (27).

Nesta sexta-feira (24) alguns grevistas permaneceram na porta do Tribunal e, com faixas da greve, reafirmaram a necessidade da ampliação e fortalecimento da paralisação em toda a 15ª Região.

Na segunda-feira (27) os grevistas do Fórum e do TRT irão se concentrar em frente à sede localizada na Rua Barão de Jaguara para mais um ato dos servidores da Justiça do Trabalho pela inclusão do PL 6613/2009 na Lei Orçamentária de 2013. Além de Campinas, a partir de segunda-feira, a greve na 15ª Região será ampliada com a adesão de mais servidores em São José do Rio Preto e dos colegas de Bauru e Lins.

Grande assembleia na próxima quarta-feira (29)

Na próxima quarta-feira (29), o Sindiquinze realizará uma grande assembleia em frente à sede do TRT-15 em Campinas. O objetivo é reunir todos os servidores grevistas para deliberar sobre a continuidade do movimento na 15ª Região. Além disto, na atividade, serão eleitos os delegados que participarão da Reunião Ampliada da Fenajufe marcada para a sexta-feira (31).

Fonte: Sindiquinze-SP

Pin It

Lei de Acesso à Informação não pode ser um entrave as investigações da Comissão da Verdade

Em audiência pública sobre a Lei de Acesso à Informação (12.527/11) realizada nesta quarta-feira (22) na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, o secretário nacional de Políticas Sociais da CUT, Expedito Solaney, saudou a iniciativa do governo que busca o combate às fraudes, a corrupção e principalmente ao patrimonialismo, mas ressaltou que ao propor sigilo de informações relativas a agentes públicos se contraria o princípio da Lei de transparência total das informações.

Isso porque o artigo 31 da Lei Geral de Acesso à Informação diz que as informações pessoais terão seu acesso restrito, independentemente de classificação de sigilo e pelo prazo máximo de 100 anos a contar da sua data de produção, a agentes públicos legalmente autorizados e à pessoa a que elas se referirem. Assim, pode-se gerar, por exemplo, um entrave aos trabalhos e às investigações da Comissão Nacional da Verdade (CNV).

“Da forma como está redigida a Lei, sem clareza e concisão, cria-se um precedente para limitação do trabalho e do acesso aos documentos à Comissão Nacional da Verdade, justamente num período histórico quando o país instala uma comissão voltada ao resgate da história e apuração de todos os crimes cometidos na ditadura militar”, salienta. “Neste sentido, o ideal é que materiais, arquivos da ditadura no Brasil sobre quem atuou e como atuou, quem fez e como fez, tivessem seu acesso regulado por uma norma específica, para aí sim, contribuir nas investigações da CNV. Mas, ao introduzir esta questão numa mesma lei geral de acesso à informação, podemos produzir efeitos contrários aos desejados”, complementa.

Ele refutou a justificativa apresentada pelo representante da OAB de que o artigo 21, onde se afirma que não poderá ser negado acesso à informação necessária à tutela judicial ou administrativa de direitos fundamentais, anula o sigilo em relação as informações sobre a violação de direitos humanos. “Há um conflito de interpretação entre os dois artigos que precisa ser resolvido. Não podemos aceitar que se evoque o direito a privacidade pessoas e documentos relacionados a ditadura militar, confundindo intimidade com impunidade”, expõe o dirigente.

Solaney destacou a importância da realização de campanhas para que os cidadãos se apropriem desta importante ferramenta e a utilize nas três esferas do governo. “Apesar de atrasada, já que está regulamentando artigos previstos na Constituição Federal, a iniciativa é fundamental no processo democrático de controle social sobre a administração pública e de avanços da cidadania.”

Exposição dos nomes e salários no funcionalismo

Durante a audiência, o dirigente da CUT criticou a imposição para divulgar os nomes atrelados aos salários dos trabalhadores no serviço público. Para ele, a exposição deve ser feita apenas a partir dos planos de cargos e carreira em todos os níveis de estado, respeitando o direito a privacidade e a segurança dos servidores.

“A sociedade tem o direito de saber todas as informações, mas sem a violação dos direitos constitucionais. Nos somamos e solidarizamos a luta dos companheiros do Sindilegis (Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal e do Tribunal de Contas da União), que já obtiveram, mesmo que de forma temporária, uma liminar garantindo a não divulgação dos nomes dos servidores da Câmara e do Senado”.

Fonte: CUT Nacional

Pin It

Servidores promovem caminhada em Natal e decidem por greve de 48 horas na próxima semana

Centenas de servidores públicos federais de diversas categorias participaram de uma grande caminhada organizada pelo Judiciário e MPU na manhã desta sexta-feira (24), no bairro de Lagoa Nova, em Natal. A caminhada teve como objetivo chamar a atenção da sociedade sobre a falta de negociação do governo Dilma com relação ao reajuste salarial. Judiciário e MPU, últimas categorias a receber atenção da Presidente Dilma, receberam e rejeitaram a proposta de 18,5% de aumento oferecida nesta semana. O índice está bem distante do que vem sendo reivindicado pela categoria, há seis anos sem reajuste.
 
Os servidores percorreram cerca de três quilômetros fazendo barulho ao promover apitaço, buzinaço e entoando palavras de ordem como “Servidor na rua, Dilma a culpa é sua” e cantando trecho da música de Beth Carvalho “Você pagou com traição a quem sempre te deu a mão”. A caminhada, que saiu do prédio do TRT, percorreu as avenidas Capitão Mor Gouveia e Prudente de Morais, seguiu pela Rua Raimundo Chaves retornando pela Rua Lauro Pinto onde se concentram os prédios da Justiça Federal, Tribunal Regional do Trabalho e Polícia Federal. 

A Polícia Federal, em greve desde o dia 07 de agosto, reforçou a mobilização, além do reajuste salarial, a categoria pleiteia a exoneração do diretor geral. “Não estamos em greve porque queremos, foi o Governo quem nos levou a essa situação, e só ele pode encerra-la”, disse o presidente do sindicato, Odilon Benício. Ainda durante o percurso a mobilização recebeu a presença do representante dos servidores da Polícia Rodoviária Federal que entrou em greve na manhã desta sexta-feira (24) mantendo apenas as atividades emergenciais.

Assembleia decide por greve de 48 horas nos 30 e 31 de agosto
 
Após a caminhada, os servidores do Judiciário se reuniram em assembleia e decidiram pela realização de um grande Ato Público na manhã da próxima quarta-feira (29), em frente ao TRT, e greve de 48 horas nos dias 30 e 31 de agosto, quinta e sexta-feira da próxima semana, já que o governo tem até o dia 31 de agosto para enviar o projeto final da Lei Orçamentária Anual de 2013 ao Congresso Nacional. Durante a assembleia também foram eleitos os servidores Leandro Gonçalves (TRE) e Francisca Gomes (TRT) como delegados para a Ampliada da Fenajufe no dia 30 de agosto em Brasília.
 
“Fizemos um movimento bonito e histórico. A luta dos servidores públicos não se resume a uma só categoria. O tratamento que o governo está dando é igual para todos”, disse o coordenador geral do Sintrajurn, Janilson Sales de Carvalho que conclama a presença de todos nas movimentações da próxima semana. “Será uma semana fundamental para as lutas dos servidores públicos federais”.
 
O Ministério Público da União, em greve há uma semana, reforça a força que o Judiciário tem para pressionar o governo a negociar. “O gigante dessa greve foi motivado pelos professores que aglutinaram outras categorias em torno deles. Agora, com o fim da greve da educação, um outro gigante se levanta que é justamente o Judiciário com condições de levar outros juntos”, disse Gustavo Muzzi, representante dos servidores do MPU. 
 
Participaram da caminhada os servidores do Judiciário, MPU, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, e os representantes dos sindicatos Sintest, Sindprevis, Sintsef e CSP–Conlutas.

Fonte: Sintrajurn-RN

Pin It

Servidores de São Paulo rejeitam proposta do Governo e decidem manter greve

Foto: Jesus Carlos

 

Em assembleia estadual realizada na tarde desta quarta-feira (22) na JT/Barra Funda, servidores de São Paulo aprovaram a continuidade da greve e prometeram intensificar o movimento paredista para exigir uma negociação em patamares que respeitem no mínimo a reivindicação da categoria, que é pela aprovação do PCS-4.

Mais de 1.500 grevistas de vários ramos estiveram presentes: Barra Funda e prédios administrativos, TRF-3 e prédios da 1ª Instância, TRE e cartórios eleitorais. Cidades como: Guarulhos, Praia Grande, São Vicente, Cubatão, Guarujá, Santos, Itapecerica da Serra, Mauá, Mogi das Cruzes, Barueri, Caieiras, Ribeirão Pires, Barueri, Diadema, Ferraz de Vasconcelos, Itapevi, Suzano, Taboão da Serra e Taubaté.

Indignados com a primeira proposta do governo, de 15,8% parcelado em 3 anos, os grevistas prometem intensificar a greve em todos os ramos com foco na Justiça Eleitoral. Após a rejeição da contraproposta os servidores puxaram a palavras de ordem que refletiu o resultado da assembleia: “A greve continua, Dilma a culpa é sua!”.  

Para o Comando Estadual de Greve, diante da primeira proposta desrespeitosa do governo, o movimento paredista ganha um novo papel, pois desde 2009 a categoria em luta exigia a abertura de negociações. O processo agora está instalado e será preciso fortalecer a greve para que a proposta dos servidores não seja rebaixada, perpetuando, portanto, o congelamento salarial.

A assembleia aprovou o "Apagão do Judiciário" em todos os ramos no dia 29, elegeu os 10 delegados para a Reunião Ampliada da Fenajufe no dia 31/08, indicou os seus representantes para o Ato Unificado em frente ao STJ, no dia 30/08 e definiu que a próxima Assembleia Estadual, acontecerá no dia 30, em frente ao TRF-3, às 14h.

Greve cresce em todos os ramos

A assembleia aconteceu um dia após a realização do maior “Apagão do Judiciário” no Fórum Ruy Barbosa, mobilizando mais de mil servidores do prédio e de outros fóruns da região. Várias audiências foram suspensas e das 90 varas 85 fecharam os balcões. A greve também ganhou a adesão dos colegas do prédio Administrativo, Rio Branco e dos Oficiais de Justiça.

Alguns sistemas estratégicos para a realização das eleições já estão comprometidos. Segundo os servidores do TRE não estão ocorrendo às certificações das urnas e mais de 500 processos estão represados no setor Judiciária em função da greve. O setor de informática também está em peso na greve. “As eleições estão comprometidas sim, ao contrário do que dizem a administração do TRE e a presidente do TSE, ministra Cármen Lúcia”, afirmou o representante do comando de greve local.

No TRF-3 e Justiça Federal a greve cresce na capital nos fóruns da primeira instância como Previdenciário/Criminal, Juizado Especial Federal, Administrativo e dos servidores Oficiais de Justiça.

Interior e Baixada Santista

A greve também se intensifica nas cidades de Barueri, Cotia, Diadema, Ferraz de Vasconcelos, Guarulhos, Itapecerica da Serra, Poá, Ribeirão Pires, Praia Grande, São Vicente, Santos, Cubatão e Araraquara e Taubaté.

No segundo maior fórum do trabalho JT/Guarulhos o apagão é geral, segundo o comando de greve, todos os balcões estão fechados, na 1ª VT a audiência foi suspensa e no dia 17/08, os grevistas fecharam a distribuição. Os 79 servidores lotados no fórum foram à assembleia estadual para dizer não a proposta do governo.

Os servidores da Baixada Santista também estão dando exemplo de mobilização. Na JT/ Santos, segundo o comando de greve todas as audiências foram suspensas e os balcões das secretarias estão fechados. A greve também está forte nos fóruns trabalhistas de Praia Grande, São Vicente, Guarujá e Cubatão, além da JF/ Santos.

Fonte: Sintrajud-SP

Pin It

Jornal Hoje noticia greve do Judiciário e MPU no Piauí

Nesta sexta-feira (24) a animação tomou conta da manifestação dos servidores em greve do Judiciário Federal e Ministério Público no Piauí.   Uma servidora do MPU se fantasiou de Presidenta Dilma, usando uma máscara e distribuindo bananas à população. A frase emblemática das faixas alertavam os populares: “Dilma, servidor não custa caro… caro é o Mensalão!”.

O ato contou com a participação aproximada de 200 pessoas e chamou a atenção da imprensa, especialmente da afiliada à Rede Globo no Piauí – TV Clube – que se encarregou de enviar as imagens à rede nacional de TV, que veiculou nota no Jornal Hoje sobre a greve do Judiciário Federal e MPU no Piauí e no Brasil.

No início da manhã, paralelamente à manifestação realizada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PI), comissões percorreram os demais locais de trabalho para convocar os colegas a participar do movimento paredista. A atividade de convencimento deu resultado, somando mais de cem servidores só do Judiciário Federal na manifestação, que ainda contou com outras cem do Ministério Público. A servidora Gillian Santana disse que muitos colegas na Justiça Federal, mesmo não participando do movimento na manhã desta sexta, se comprometeram a aderir o movimento a partir de segunda.

Na assembleia, poucas discussões e muito ânimo por parte dos servidores que usavam apitos, cornetas e palavras de ordem para dominar o ambiente. A decisão era previsível: manutenção da greve. O diretor Pedro Laurentino reforça – “O caminho é um só: fortalecer ainda mais o movimento”.

A assembleia terminou com uma salva de palmas a todos os manifestantes, marcando novo encontro para segunda, às 7h, também no TRE. Ainda na tarde desta sexta, às 16h, servidores participarão de um ato com as demais categorias do serviço público federal na Avenida Frei Serafim (cruzamento com a Rua Coelho de Rezende). À noite haverá uma festa na Associação dos Docentes da Universidade Federal do Piauí (Adufpi) em homenagem aos cem dias de greve das universidades federais.

Fonte: Sintrajufe-PI

Pin It

Categoria no Paraná diz não à proposta de 15,8% de reajuste apresentada pelo Governo

Em assembleia realizada no dia (22), em frente ao edifício da Justiça Federal da avenida Anita Garibaldi, servidores paranaenses disseram não à proposta de reajuste do governo de Dilma. O tema foi apresentado como um dos itens da pauta daquela assembleia, seguindo recomendação da Fenajufe.

O coordenador do Sinjuspar, Jair Nascimento, considera a “proposta indecente” em alusão figurada ao título de um filme americano. O Sinjuspar recomenda às militâncias das demais subseções que também consultem a categoria sobre o assunto, por ocasião das realizações de suas assembléias ou reuniões, para encaminhamento do resultado à Fenajufe que, por sua vez, comunicará sobre os dados obtidos ao presidente do STF.

Para Jair Nascimento, a proposta dos 15,8% de reajuste salarial apresentada pelo governo, a ser paga em três parcelas anuais, não atende nem de longe as reivindicações da categoria que está a mais de seis anos sem qualquer tipo de reposição salarial. "As perdas salariais dos servidores que compõem a categoria, ocorridas desde o último PCS aprovado em 2006, já estaria em mais de 38%, segundo dados do Dieese," concluiu o coordenador do Sinjuspar.

Fonte: Sinjuspar-PR

Pin It

Servidores de Pernambuco participarão de assembleias setoriais para debater contraproposta do governo

Na próxima segunda-feira (27), às 14h, os servidores das varas do trabalho da Sudene, no Recife,  participarão de uma assembleia para avaliar a proposta do Governo e discutir as próximas ações da mobilização.

No dia seguinte (terça, 28), às 13h, será a vez da assembleia no TRT. Na sequencia, os servidores do TRF farão uma paralisação de 2 horas, com início às 15h. Ao final da atividade haverá uma assembleia geral para definir os próximos passos da mobilização.

Para fechar a semana, os servidores da Justiça Eleitoral - que em assembleia rejeitaram a proposta do governo - farão um ato público na sede do TRE na quinta-feira (30), às 16h, para protestar contra a política do governo. A intenção é reunir todos os servidores dos demais tribunais e do MPU.

O sindicato ressalta que está se aproximando o prazo (dia 31 de agosto) para o governo enviar o projeto final da LOA de 2013 ao Congresso Nacional. “A categoria precisa estar unida e engajada nas ações que estão programadas para esta última semana do mês. A categoria e o Comando Nacional de Greve da Fenajufe rejeitam a proposta do Governo Federal de reajuste de 15,8%, nos próximos três anos, por não atender às reivindicações da categoria e estar muito longe da revisão salarial prevista no PCS. A hora é decisiva, companheiros. Participem das atividades deliberadas pela categoria”, enfatiza o Sintrajuf-PE.

Agenda de mobilização em Pernambuco
Segunda-feira (27)

Assembleia na Sudene às 14h

Terça-feira (28)
Assembleia no TRT às 13h
Paralisação no TRF das 15h às 17h
Ao final do ato haverá uma assembleia geral no TRF para definir os próximos passos da mobilização.

Quinta-feira (30)
Ato Público no TRE às 16h

Fonte: Sintrajuf-PE

 

Pin It

Assembleia na Paraíba aprova greve por tempo indeterminado a partir de segunda-feira

Os servidores da Justiça Eleitoral da Paraíba, em paralisação nesta quinta-feira (23), realizaram assembleia geral na qual decidiram, por maioria, deflagrar a greve por temo indeterminado a partir da segunda-feira (27). A proposta de 15,8% de reajuste foi rejeitada pelos servidores, já que não repõe as perdas inflacionárias dos seis anos que a categoria se encontra sem reposição salarial e, parcelada nos três anos seguintes, conforme proposto pelo governo, será diluída sem haver representatividade alguma para os servidores.

No próximo dia 31, às 16h, os servidores realizam assembleia geral na sede do TRE-PB para avaliar o andamento das negociações.

Repúdio

O presidente em exercício da CTB da Paraíba, Geraldo Lima, presente à assembleia geral, repudiou a presença da Polícia Militar durante todos os dias de paralisação que a Justiça Eleitoral realizou este ano. Ele também afirmou que uma das bandeiras que a CTB está levantando é pela federalização dos juízes eleitorais, preservando a independência entre os poderes.

Delegados para Ampliada  

A assembleia elegeu os delegados para a reunião ampliada da Fenajufe, que acontece na próxima sexta-feira (31). Os eleitos foram ratificados por aclamação e pelo voto unânime da assembleia: Marcos Lopes (coordenador-geral do Sindjuf-PB), Ângela Melo (delegada sindical de Campina Grande), Severino Nery (coordenador de formação sindical como suplente de Ângela) e Maria Hilarina (suplente de Marcos Lopes).

Informes de Campina Grande

A delegada sindical de Campina Grande, Ângela Melo, participou da assembleia, com informes do movimento na Justiça do Trabalho, cujos servidores também consideraram pífia a proposta do Governo.

“Me sinto honrada em participar desse movimento. Em Campina Grande também participamos da paralisação na Justiça do Trabalho e queremos agregar força a essa luta”, disse. No entanto, Ângela lamentou a falta de participação da Justiça do Trabalho na Capital.

Avaliando a proposta

O coordenador-geral do Sindjuf-PB, Marcos Lopes, comentou que as greves anteriores tiveram repercussão mas não conseguiram avançar nas negociações como esse movimento atual. “Essa proposta é o primeiro passo da negociação, mas é insuficiente, porque não recompõe as perdas do período anterior”, enfatizou.

Severino Nery, coordenador de formação sindical do Sindjuf-PB, alertou que é preciso avaliar se essa proposta irá anular ou não o Plano de Cargos e Salários que tramita no Congresso Nacional desde 2009. “É preciso avaliar isso com muita frieza”, alertou.

Participação efetiva

Os servidores presentes à assembleia apelaram para que haja participação efetiva de todos na greve e da importância de haver a adesão dos servidores do TRT e das Varas do Trabalho.

Paulo Lacerda falou a respeito do número de greves no país, que ajuda a reforçar o movimento do Judiciário Federal, a exemplo do Itamaraty, PRF, PF, MPU e professores. Para ele, é um absurdo que no serviço público seja necessário fazer greve para provocar negociação, diferentemente do que acontece na iniciativa privada, onde após esgotadas as negociações é que se inicia a greve. “Mas infelizmente o Governo força esse tipo de postura, uma vez que não negocia”, afirmou.

Para José Alves, é preciso radicalizar, observando que somente com pressão dos servidores as negociações com o Governo federal serão efetivas. “Bote a Policia, me tire, me surre, não estou brincando de fazer greve”, ressaltou.

Houve críticas àqueles que não participam efetivamente do movimento. Felipe Alves, por exemplo, afirmou que greve não se faz por procuração. “Greve não se terceiriza. Tem que ser todo mundo unido de verdade”, desabafou.      

Fonte: Sindjuf-PB

 

Pin It

No Espírito Santo, categoria rejeita proposta do governo e segue com paralisações

Os servidores do Judiciário Federal do Espírito Santo também já disseram não à contraproposta de 15,8%, apresentada pelo governo em reunião com o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ayres Britto. A decisão foi unânime, tomada em assembleia promovida pelo Sinpojufes-ES.

Em Vitória, eles fazem paralisações de três horas, das 12h às 15h, horário de maior concentração de servidores e do público. As mobilizações estão sendo na Justiça Federal, cujo prédio se localiza entre o TRE e o TRT. Segundo Iracema Pompermayer, presidente do Sinpojufes-ES e coordenadora da Fenajufe, a paralisação atinge todos os órgãos do Judiciário, mas a adesão é mais forte na Justiça Federal. “O movimento continua crescente com novas adesões diárias ao movimento, que se fortalece”, afirmou.

Os servidores manterão as paralisações até o dia 31 de agosto, prazo limite para o Ministério do Planejamento encaminhar a proposta final da LOA de 2013 ao Congresso Nacional. No dia 30 de agosto, os servidores capixabas promoverão um “apagão” total das atividades. Neste dia, segundo Iracema Pompermayer, a ideia é paralisar totalmente as atividades em todos os ramos do Judiciário.

O sindicato promoverá uma assembleia no início de agosto para avaliar o cenário das negociações e, a partir daí, definir novas ações em defesa do PCS.

Da Fenajufe – Leonor Costa  

 

 

Pin It

Assembleia em Porto Alegre rejeita proposta de Dilma

Em assembleia no TRT, nesta quarta-feira (22), das justiças do Trabalho, Federal e Eleitoral de Porto Alegre, a categoria rejeitou a proposta de Dilma, de reajuste de 15,8%, parcelado em três anos. Na assembleia, servidores lembraram que o Judiciário e o MPU são as categorias há mais tempo sem receber qualquer reposição e que o percentual proposto pelo governo não cobre sequer metade da inflação de 2006 (data do último PCS), até agora.

Antes da assembleia, houve concentração no Anexo do TRE, onde, juntamente com o pessoal do MPU, também em greve, foi feito um almoço coletivo. Depois da manifestação de representantes do Sintrajufe-RS e da seccional do Rio Grande do Sul do Sinasempu, todos foram em caminhada até o TRT. Além de Porto Alegre, estavam presentes servidores do Judiciário de Alvorada, Gravataí, Novo Hamburgo e Soledade.

O sol forte não abalou o ânimo dos colegas, que gritaram palavras de ordem como “Servidor na rua; Dilma, a culpa é tua”. No meio do caminho, uma parada estratégica nas varas trabalhistas. Os manifestantes caminharam em volta do prédio. Aos gritos “De camarote não, a luta é aqui no chão” e “Você aí parado também está congelado”, os grevistas conclamaram os que estavam trabalhando a descer e aderir ao movimento. Afinal, o PCS é para todos.

Para a diretora do Sintrajufe-RS Mara Weber, a proposta de Dilma, apesar de rebaixada, mostra que os servidores estão no caminho certo: “É com unidade e pressão que derrubaremos a política de reajuste zero deste governo”.

Fonte: Sintrajufe-RS

 

 

Pin It

Greve será retomada no Judiciário Federal fluminense na próxima terça (28)

Os servidores do Judiciário Federal do Rio aprovaram por unanimidade a retomada de greve por tempo indeterminado a partir de 28 de agosto. A decisão foi votada em assembleia geral realizada na quarta-feira, 22 de agosto, às 12h, em frente à JF da av. Rio Branco. Participaram 81 servidores das Justiças Federais da própria avenida Rio Branco, da Almirante Barroso e da avenida Venezuela, do Tribunal Regional Federal, do Tribunal Regional do Trabalho e da Justiça Eleitoral. O governo propôs reajuste de 15,8%, na noite de terça-feira, 21 de agosto. Mas a categoria não considerou insuficiente diante do índice de mais de 50% de perda salarial dos últimos seis anos.

Cerca de 40 servidores do Ministério Público da união (MPU) também participaram da assembleia em frente à JF Rio Branco em solidariedade à categoria do Judiciário Federal. Os funcionários do MPU em greve há 15 dias lutam pela aprovação do PL 6.697/2009. As duas categorias fazem ato público conjunto na quinta-feira, 30 de agosto, às 15h. A passeata terá concentração na Candelária e encerra-se no Tribunal Regional Eleitoral (Sede). De forma consensual, os servidores do Judiciário Federal do Rio ainda elegeram nove delegados para representar a categoria no ato denominado “Bota Fora de Ari Pargendler” em frente ao STJ, dia 29 de Agosto. O ato será em conjunto com os servidores do MPU. A delegação será composta pelos seguintes servidores: Anete de Souza Andrade; João Souza da Cunha; José Fonseca; Marzia Maranhão; Neli da Costa Rosa; Paulo Alberto Gurjão de Oliveira; Pedro Paulo Gasse Leal; Roberto Ponciano; e Soraia Garcia Marca.

Os servidores do Judiciário Federal aprovaram também a realização assembleias setoriais, em cada local de trabalho, na segunda-feira, dia 27 de agosto. O objetivo é ajudar a organização do movimento paredista para terça-feira, 28 de agosto. Também no dia 28, haverá assembleia setorial das Zonas Eleitorais da Capital e Região Metropolitana, na sede do sindicato, na av. Presidente Varga, 509, 11° andar, às 19h.

Fonte: Sisejufe-RJ

 

Pin It

Assembleia do Sindjuf-PA/AP aprova greve por tempo indeterminado no TRE a partir do dia 28

“Greve forte em Dilma dura, tanto bate até que fura”, essa é a aposta dos servidores do TRE do Pará que aprovaram greve por tempo indeterminado, a partir da próxima terça-feira, dia 28 de agosto. A decisão foi tomada durante a assembleia geral realizada nesta quarta-feira (22/08), no hall do Tribunal Regional Eleitoral do Pará, que contou com a participação de mais de 80 participantes.

A proposta de paralisar sem afixar uma data para voltar ao trabalho foi do servidor Ângelo Passos, do TRE-PA. Ele defendeu a ideia de que apenas as categorias que são ferrenhas nas reivindicações estão conseguindo negociar com o governo federal, e que este é o momento para a Justiça Eleitoral parar e tentar avançar a proposta do PL 6613/09.

Com placas, apitos e cornetas, os manifestantes seguiram até o Tribunal Pleno da Eleitoral, na própria sede, onde estava acontecendo uma sessão de julgamento de recursos dos registros das candidaturas e outros assuntos relacionados às eleições de 2012 de todo o Pará. O protesto pacífico e ordeiro durou cerca de dez minutos, tempo suficiente para que os participantes da sessão tomassem conhecimento sobre a greve.

Liderada pelos coordenadores gerais do Sindjuf-PA/AP, Ribamar França e Aluísio Silva, além da participação dos coordenadores executivos Raimundo Abreu, Alice Romana, Nilce Filgueiras, Adélia das Mercês, Carlos Alberto Vinhas, Severino Vilhena e Carlos Augusto "Canarinho", a assembleia contou com a presença de servidores da Seção Judiciaria Federal de Belém, da Justiça Militar, da Vara Trabalhista de Ananindeua e das Zonas Eleitorais, reafirmando que a insatisfação não é apenas dos servidores da sede do TRE.

O Comando de greve foi eleito e, além da Executiva do SINDJUF-PA/AP, é composto também pelos companheiros Claudio Silva, Conceição Mota, Walnecir Soares, Rogério Sirayama, Rogério Amorim, Leila França, Osiel Silva e Ângelo Passos. O grupo se reunirá pela primeira vez amanhã, 23/08, às 13h, no hall do TRE-PA.

Caminhada

Nesta sexta-feira, dia 24, os servidores do TRE-PA e de outros tribunais tomarão as ruas do bairro Campina, em Belém. Com placas, faixas, apitos e cornetas, o ato público pretende chamar a atenção da sociedade para o drama vivido pelos servidores do Judiciário Federal. A concentração será no prédio da JE, às 9h.

 Fonte: Sindjuf-PA/AP

 

Pin It

Grevistas no Piauí recebem o apoio da OAB e rejeitam proposta do Governo

Foi na frente dos elevadores do TRE-PI que os grevistas ficarem sentados na manhã desta quarta (22), terceiro dia de greve do Judiciário Federal e Ministério Público no Piauí. Apesar de os manifestantes não terem barrado por completo a passagem das pessoas, a atitude fortaleceu a adesão por parte dos servidores da casa.

O dia também foi marcado pela notícia de que o Governo ofereceu uma contraproposta, onde daria 15% de reajuste para a categoria, parcelado em três vezes.  Sem titubear, os servidores mantiveram a greve e já buscaram o apoio da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Piauí. Nesta quarta, o ato será novamente no TRE, a partir das 7h.

A proposta do Governo de reajuste de 15%, parcelado em três vezes, foi considerado como um primeiro passo para os grevistas. “Apesar de a proposta ser irrisória, pelo menos o Governo já começou a negociar. Ruim era quando eles estavam dizendo que o reajuste seria zero”, comenta a diretora do Sintrajufe, Madalena Nunes. Os manifestantes não têm dúvidas de que continuarão a greve até que o Governo aceite o reajuste proposto pela categoria. “Cinco por cento ao ano não dá nem pra acompanhar a inflação da tarifa de energia, que é de 9%”, avalia um dos manifestantes.

Reunião com o presidente da OAB

Por volta das 11h, uma comissão saiu do ato no TRE para participar de uma reunião com o presidente da OAB no Piauí, Sigfroid Moreno. Na oportunidade, os grevistas explanaram a situação dos servidores nos últimos seis anos, sem nenhum reajuste. O diretor Saturnino Dantas e a diretora Madalena Nunes explicaram que um dos maiores problemas do reajuste para os servidores é a inexistência de data-base para a reposição das perdas salariais. Os servidores também relataram diversos problemas cotidianos pelos quais passam nos tribunais.

Sigifroid Moreno afirmou que os servidores podem contar com o apoio da Ordem que, segundo ele, vai agir local e nacionalmente. Ele garantiu aos grevistas que provocará o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil a expedir um documento nacional, encaminhado à presidente Dilma, solicitando urgente negociação com a categoria e explicando a necessidade dos serviços de justiça para a população. Incentivado pelos servidores, o presidente da OAB prometeu ainda que publicará (em jornal não especificado) uma nota oficial da entidade manifestando apoio aos manifestantes.

Fonte: Sintrajufe-PI

Pin It

Nesta quinta-feira, servidores do Ceará realizam ato na porta do TRE

Nesta quinta-feira, 23 de agosto, os servidores do Poder Judiciário Federal e do MPU no Ceará realizam mais uma atividade de protesto contra o congelamento salarial imposto pelo governo Dilma. Desta vez, a concentração será na frente do prédio do TRE (Praça Coração de Jesus), a partir das 15 horas.

De acordo com o Sintrajufe-CE, pelo calendário eleitoral, dia 23 é o último dia para o Tribunal julgar os recursos sobre indeferimento de pedidos de registro de candidaturas. Por isso, os sindicatos decidiram promover o ato em frente ao TRE, visando chamar maior atenção da categoria, do próprio Judiciário e da população.

“O Sintrajufe-CE convoca todos os trabalhadores da Justiça Federal no Ceará a fortalecer a luta nacional pela inclusão na LOA/2013 dos recursos necessários a efetivação do reajuste da categoria, contra o sucateamento dos serviços públicos e contra a continuidade da política de privatizações”, ressalta o Sintrajufe-CE, ao convocar os servidores da JF para participar da manifestação.

 Fonte: Sintrajufe-CE

 

Pin It

Servidores de Alagoas realizam atividades para intensificar a greve

Os servidores do Judiciário Federal e do MPU em Alagoas estão realizando atividades para intensificar a greve por tempo indeterminado. Na última terça (21), a concentração ocorreu no prédio das Varas do Trabalho, onde os grevistas visitaram todas as varas trabalhistas realizando um trabalho de corpo a corpo junto aos servidores que ainda não aderiram à greve nacional. Nesta quarta-feira (22), a mobilização aconteceu no Fórum Eleitoral, localizado no bairro do Farol, a partir das 9 horas.

Na mobilização, o comando de greve confirmou o cancelamento de audiências em várias varas do trabalho. A atividade de greve também chama a responsabilidade de cada servidor para o momento em que 40 setores do serviço público federal aderiram à greve. A servidora da Justiça do Trabalho Andrea Leão alertou aos servidores que as categorias mais mobilizadas, como a Polícia Federal, estão sendo recebidas pelo governo para negociar.

O servidor da Justiça Federal Lauro Alves foi enfático ao afirmar que quem está trabalhando apenas está satisfazendo a presidenta. “A nossa luta não é só salarial, mas contra os assédios moral e sexual, contra as perseguições e retaliações, pela negociação coletiva, contra a terceirização, pela valorização dos serviços públicos”, defendeu Alves.

Grevistas repudiam decisão que criminaliza sindicato

O protesto dos servidores do Judiciário Federal foi marcado pelo repúdio à decisão do presidente do Tribunal Regional do Trabalho que fere o exercício do direito de greve dos rodoviários. O desembargador multou o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários de Alagoas (Sinttro) em 50 mil reais por dia e determinou a prisão de sindicalistas por descumprimento do funcionamento dos serviços rodoviários.

No ato público, o coordenador jurídico do Sindjus/AL, Paulo Falcão, ressaltou que a decisão da Justiça Trabalhista criminalizou os trabalhadores rodoviários condicionando ao retorno do trabalho, além de multa e prisão de dirigentes. “Não podemos aceitar que o exercício do direito de greve seja atacado. Repudiamos qualquer medida de retaliação que acarrete prisão de trabalhadores”, disse.

Na manhã da terça-feira (21), a direção do Sinttro participou de uma audiência no TRT para tratar das reivindicações da categoria que está em greve desde segunda-feira (20) por melhoria salarial.

Fonte: Sintrajud-AL

Pin It

Servidores do TRT no Amazonas decidem entrar em greve a partir do dia 27

Em assembleia geral realizada durante ato público que ocorreu em frente ao Fórum Trabalhista de Manaus na última terça (21), os servidores do TRT no Amazonas decidiram entrar em greve por tempo indeterminado a partir da próxima segunda-feira (27).

O Comando Local de Mobilização espera que o movimento comece um pouco tímido, mais vá ganhando espaço nos setores e prédios do regional durante a semana. "Tomamos todos os cuidados para que a greve não tenha implicações legais e já notificamos a Presidência do TRT para iniciar o processo de negociação dos dias que deveremos paralisar as atividades e de serviços essenciais. Nossas reinvindicações são salariais e também de melhorias do serviço público para o cidadão", afirma representante do Comando Local de Mobilização.
 
Na sexta-feira (24) será realizado um novo ato com assembleia para reforçar o movimento de greve e debater sobre possíveis propostas oficiais do governo. "Até aceitamos parcelar o PL, mas 15,8% está aquém da inflação dos últimos seis anos. É delírio do governo", completou.

Fonte: Sintra-AM/RR

Pin It

afju fja fndc