fbpx

banner tv fenajufe

banner radio fenajufe

banner tv fenajufe

banner fenacast

banner tv fenajufe

banner radio fenajufe

banner tv fenajufe

banner fenacast

Categoria em Mato Grosso do Sul decide pelo estado de greve e por ato público no dia 15

Na ocasião, em nova assembleia, será avaliado o indicativo de greve geral

BRASÍLIA – 09/08/12 - Em assembleia geral realizada nesta quarta-feira [08], os servidores do Judiciário Federal e Ministério Público da União em Mato Grosso do Sul decidiram pela declaração do Estado de Greve e convocação de todos para um ato público no dia 15 de agosto, com nova assembleia para avaliar o indicativo de greve geral.

Foram escolhidos como componentes do Comando Estadual de Greve os servidores, Ricardo [TRE] e Brás [MPU-MPT], além dos Coordenadores do Sindjufe-MS. Na ocasião o servidor do Ministério Público do Trabalho informou que a categoria está indignada e aguardando o chamamento para se engajar no movimento. “Falta apenas um empurrãozinho” declarou Brás.

“A situação é grave, falta comprometimento da categoria, falta disposição dos servidores”, afirmou o coordenador geral Antonio Cezar Medina. “Necessitamos que os servidores se conscientizem que o sindicato é o próprio servidor e que só depende de nós”, conclamou Medina.

O coordenador Jurídico do Sindjufe-MS, José Ailton Pinto, lembrou que a cúpula do Judiciário tem, sistematicamente, atacado todas as iniciativas de greve, através de liminares, impondo situações fáticas que, na prática, acabam com o direito constitucional de greve. “A cúpula do judiciário, representada pelo STJ, Tribunais Superiores e os Conselhos, têm massacrado nosso direito de greve, impondo restrições descabidas, através de decisões draconianas.” Disse Ailton Pinto. Lembrou da recente liminar do Presidente do STJ que impôs o percentual de 80% de servidores trabalhando durante a greve deflagrada no período do dia 02 a 05 de julho, sob a ameaça de multa de R$ 200 mil reais. “Tal decisão tem se repetido e agora motivou o TST a informar aos TREs que exijam o percentual de 80% de servidores trabalhando em caso de greve, como se a decisão do STJ fosse perpétua e se estendesse a todas as greves, independentemente de novos processos. Um absurdo, uma determinação ilegal e autoritária, digna das mais duras ditaduras. Devemos intensificar nossas mobilizações e aumentar nossa determinação em combater tais absurdos, tirar de dentro de nós a coragem e a força para enfrentar, não somente a recalcitrância da Presidenta Dilma, mas também os desmandos jurídicos do Judiciário que insistem em nos massacrar no nosso direito fundamental de greve”, acrescentou o coordenador Jurídico Ailton Pinto, conclamando a todos para a greve geral por prazo indeterminado.

Na oportunidade foram eleitos dois delegados e dois observadores para participar da reunião ampliada da Fenajufe no dia 16 de agosto, e para, no dia anterior, representar a categoria sul-matogrossense na Marcha Nacional dos Servidores Públicos Federais marcada para 15 de agosto.

Embora a proposta fosse deflagrar a greve geral, os servidores decidiram pela declaração do estado de greve com realização de ato público em Campo Grande, que será na frente das Varas Trabalhistas, com início às 13h e com assembleia convocada para as 14h30, onde se reavaliará a possibilidade da categoria ingressar com força na greve geral, por prazo indeterminado, a exemplo de outros estados do país [SP, MT e DF].

Fonte: Sindjufe-MS

Pin It

afju fja fndc