fbpx

banner tv fenajufe

banner radio fenajufe

banner tv fenajufe

banner fenacast

banner tv fenajufe

banner radio fenajufe

banner tv fenajufe

banner fenacast

STF derruba trechos da reforma trabalhista que limitavam acesso gratuito à Justiça do Trabalho

A corte manteve, contudo, a validade do pagamento de custas pelo beneficiário que faltar injustificadamente à audiência inicial

Em sessão na quarta-feira (20), o Supremo Tribunal Federal (STF) derrubou dois artigos (790-B e 791-A) da reforma trabalhista - Lei 13.467/2017 - do governo Temer que restringiam o acesso gratuito dos trabalhadores mais pobres à Justiça do Trabalho. A Ação Direita de Inconstitucionalidade (ADI) 5766 foi apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), em 2017.

De acordo com o STF, por 6 a 4 prevaleceu a proposta apresentada pelo ministro Alexandre de Moraes, que julgou inconstitucionais os dispositivos relativos à cobrança dos honorários de sucumbência e periciais da parte perdedora. O voto foi acompanhado pelos ministros Edson Fachin, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowsk e as ministras Cármen Lúcia e Rosa Weber.

Ainda segundo o Supremo, em outra votação, foi considerada válida a regra (artigo 844, parágrafo 2º da CLT) da cobrança de custas caso o trabalhador falte à audiência inaugural sem apresentar justificativa legal no prazo de 15 dias. Esse entendimento foi seguido pelos ministros Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Roberto Barroso, Nunes Marques, Gilmar Mendes e Luiz Fux (presidente) e pela ministra Cármen Lúcia.

O caso começou a ser julgado em 2018 pelo plenário com o voto do ministro Luís Roberto Barroso, relator, que e defendeu a manutenção das mudanças estabelecidas pela reforma trabalhista. O julgamento foi interrompido por um pedido de vista do ministro Luiz Fux e retomado ontem.

A reforma trabalhista precarizou as relações de trabalho, gerou mais desempregos e dificultou o acesso das pessoas mais pobres à JT. A decisão do colegiado é importante para que o direito à Justiça seja garantido.

 

Raphael de Araújo

Com informações do STF

Pin It

afju fja fndc