fbpx
Na Câmara dos Deputados, Fenajufe reitera importância da luta em defesa da recomposição salarial

Na Câmara dos Deputados, Fenajufe reitera importância da luta em defesa da recomposição salarial

Federação participou de audiência pública para discutir estratégias dentro do Legislativo, além dos atos desta quarta (16), onde será dado um ultimato ao governo

Na luta em defesa da recomposição salarial para servidoras e servidores públicos, a Fenajufe esteve na tarde desta terça-feira (15) na Câmara dos Deputados e participou de audiência pública sobre o reajuste emergencial do serviço público para discutir estratégias dentro do Legislativo, além de reiterar o chamado para os atos desta quarta (16), onde será dado um ultimato ao governo.

Participaram a coordenadora Juscileide Rondon e os coordenadores Evilásio Dantas, Edson Borowski, Fabiano dos Santos, Ramiro López, Roberto Policarpo e Thiago Duarte. Da base, representantes do Sitraemg/MG, Sindjufe/MS e Sindissétima/CE.

A audiência foi sugerida pela Federação na reunião da Frente Parlamentar Mista do Serviço Público no dia 7 de março. O evento foi organizado pela Liderança da Minoria na Câmara, Liderança do PT e a Frente.

Compondo a mesa, pela Fenajufe, o coordenador Thiago Duarte lembrou que nesses três anos de governo Bolsonaro a inflação acumulada ultrapassa o índice de 20% de perdas salariais. Para o dirigente, “a inflação tem corroído o poder de compra, o poder aquisitivo dos servidores públicos”. Assista:

Já o coordenador Fabiano dos Santos destacou a importância do debate às vésperas do dia nacional de mobilização dos servidores, neste 16 de março, com greve unificada do funcionalismo. Fabiano destacou que essa movimentação acontece na esteira de um processo unitário de luta desde o ano passado que impediu a votação da reforma administrativa (PEC 32/20) no Congresso Nacional. Veja:

Por sua vez, a coordenadora Juscileide Rondon reforçou que o País passa pelo pior momento para o serviço público. A diretora afirmou que os servidores acordaram depois do "chicote" que foi a reforma da Previdência, a reforma trabalhista, e que o funcionalismo vai pra cima para reverter esse quadro caótico. Confira:

Dia nacional de paralisação, mobilização e greve unificada

Amanhã (16), acontece o dia nacional de paralisação, mobilização e greve unificada do serviço público; em Brasília, a concentração será no Espaço do Servidor a partir das 09h. Após o ato (em Brasília e nos estados), se o governo não se manifestar em até sete dias, os servidores realizarão uma greve geral por tempo indeterminado que será iniciada a partir do dia 23/03, respeitando a dinâmica de cada entidade.

O Fórum das Entidades Nacionais de Servidores Públicos Federais (Fonasefe) e o Fórum Nacional Permanente de Carreiras Tipicas do Estado (Fonacate) protocolaram pauta de reivindicações no Ministério da Economia no dia 18 de janeiro e até o momento não houve nenhuma sinalização do governo. O documento pede recomposição salarial imediata de 19,99% (referente às perdas inflacionárias do governo Bolsonaro); arquivamento da PEC 32/2020; e a revogação da Emenda Constitucional 95.

Calendário:

16/03 – Dia Nacional de Mobilização, paralisações e manifestações em todo Brasil, com ato em Brasília e nos estados; concentração no Espaço do Servidor, às 09h.

23/03 – Indicativo para o início da GREVE GERAL POR TEMPO INDETERMINADO, respeitando a especificidades de cada entidade. 

 

Raphael de Araújo (texto, fotos e vídeos)

Pin It

afju fja fndc